Crowdsourcing e Ciência Cidadã foram temas abordados no WISE – “Working group on Inclusive and Sustainable Urban Environments”

O evento aconteceu no dia 18/9 na swissnex Brazil, Rio de Janeiro. Foi o primeiro workshop idealizado pelo St.Gallen Institute of Management Latin America (GIMLA), com o objetivo de criar uma Rede latino-americana de experts sobre cidades inteligentes. O propósito desta rede, ao contrário de muitas já existentes, só focadas na tecnologia, é colocar a cidade inteligente a serviço de nossas sociedades para promover maior inclusão social e sustentabilidade. Promovido em parceria com a swissnex Brazil, o evento contou com a participação da pesquisadora Gilda Esteves, líder da linha de pesquisa sobre o Futuro da Ciência e de representantes de importantes instituições que atuam neste tema, incluindo Luiza Mesquita do Instituto de Tecnologia e Sociedade – ITS, Jhessica Reia da Fundação Getúlio Vargas – FGV, Eduardo Barbosa do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES, e Daniel Ribeiro do Ministério Público do Rio de Janeiro – MPRJ. Em uma troca direta com o público e sob a moderação de Pedro Capra da Swissnex, esses palestrantes discutiram formas concretas de como a cidade do Rio de Janeiro pode se tornar mais sustentável e inclusiva na busca por projetos de cidades inteligentes.

Gilda Esteves destacou a importância da participação da sociedade na construção de uma camada inteligente de dados, onde o próprio cidadão tem um papel fundamental no fornecimento de informações importantes, como por exemplo: transporte, saúde, educação, trabalho e meio ambiente. Neste novo cenário onde dados, informação e conhecimento são fundamentais para a construção não unicamente de cidades inteligentes, mas também de cidadãos inteligentes, a prática da ciência cidadã proporciona não somente uma maior produção de dados científicos, mas também uma nova experiência para o cidadão. Projetos de Ciência Cidadã vão muito além da simples coleta de dados. Eles proporcionam um aumento da consciência ambiental, capacitação, diversidade de informação e fortalecimento das comunidades que se formam em torno de cada projeto. Quando a ciência cidadã é associada ao planejamento da cidade essa camada inteligente de dados passa a ter uma quantidade muito maior de informação e, desta forma, abre-se um novo campo de investigação sobre como integrar, processar e utilizar um volume cada vez maior de dados e informações e transformá-los em conhecimento acionável para tornar as cidades melhores, mais resilientes e sustentáveis, trazendo maior qualidade de vida para os seus habitantes. Alguns produtos de pesquisas desenvolvidos por colaboradores do Laboratório do Futuro como as Plataformas SoPa – Sociedade Participativa e Fast Science, foram mencionados como exemplos práticos de como as cidades podem se beneficiar do uso da tecnologia participativas.

Mais informações sobre o evento: https://www.swissnexbrazil.org/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *