Cidades Inteligentes e Sustentáveis

Descrição da Linha de Pesquisa

Existe uma agenda comum que deve ser do interesse de todos, sejam arquitetos, engenheiros, cientistas, artistas, gestores do setor público ou privado, dentre outros. É a tarefa vital de construir um futuro sustentável, uma tarefa que é responsabilidade de todos.

O termo sustentabilidade pode ser entendido como a capacidade do ser humano interagir com o mundo, preservando o meio ambiente para não comprometer os recursos naturais atuais e das gerações futuras. O conceito de sustentabilidade é complexo, pois atende a um conjunto de variáveis interdependentes, que deve ter a capacidade de integrar as questões sociais, energéticas, econômicas e ambientais.

A urbanização é um fenômeno presente em diversas partes do mundo e está diretamente ligado ao crescimento das cidades, tanto em população quanto em extensão territorial. É um processo em que o espaço rural transforma-se em espaço urbano, com a consequente migração populacional campo-cidade.

Em função dessa transformação, teremos que adaptar o planejamento das cidades e organizações levando em consideração também um clima em mudança, teremos que lidar com grandes desafios em matéria de uso da terra, infraestrutura, transporte, saúde e meio ambiente [1].

O objetivo de reduzir as emissões globais a níveis que limitem o aumento de temperatura global abaixo de 2 graus requer uma completa transformação dos sistemas energéticos em todo o globo terrestre e em toda lógica de mercado envolvida, promovendo o uso eficiente e eliminando gradualmente a dependência de combustíveis fósseis.

Em diversos países estão sendo criados marcos regulatórios que exigem melhorias expressivas em eficiência energética para prédios residenciais, comerciais, fábricas, etc. A regulação do setor energético deve priorizar a substituição de combustíveis fósseis por fontes renováveis e não poluentes.

De acordo com [2], nos EUA, o setor de edificações, composto por edifícios residenciais e comerciais, atualmente representa mais de 40% do consumo nacional de energia, 54% do consumo de gás natural e mais de 70% do consumo nacional de eletricidade. Combinado com o fato da idade média dos edifícios ser superior a 70 anos, o setor de edificações deve ser um dos principais objetivos para os esforços generalizados de eficiência energética.

Nessa página você poderá encontrar um resumo das linhas de pesquisa abordadas e links para projetos de pesquisa que atuem nesse eixo temático.

[1] https://www.regjeringen.no/en/aktuelt/future-build/id2512361/
[2] http://www.ase.org/buildings

Áreas de pesquisa:

Cidades Sustentáveis:

  • Arquitetura para Cidades
  • Conceituação Cidades Inteligentes e Sustentáveis: dimensões, indicadores
  • Proposta de arquitetura para soluções sustentáveis
  • Análise de soluções existentes e sua aderência a arquitetura
  • Proposta de portfólio de soluções para municípios (por faixa de habitantes)

Sensoriamento participativo:

  • Empoderamento do cidadão como sensor
  • Monitoração de tempos de espera no atendimento a serviços

Prédios inteligentes e economia de energia:

  • Rede de micro sensores para prédios e cidades sustentáveis

Participação social:

  • Curadoria social para apoio de atividades de planejamento urbanístico sustentável
  • Participação de autoridades e população no gerenciamento do desenvolvimento sustentável de localidades

Sistema de Informações Geográficas:

  • Infraestrutura de dados espaciais

Projetos de pesquisa

Demorô
Acrópolis
Crowd App Database

Pesquisadores

Miriam Chaves (Coordenadora)

Luiz Oliveira
Bárbara Caetano
Marcos Felipe Magalhães
Daniel Schneider
Rogério Borba
Julia Strauch
Rômulo Freires